Financiamento Empresarial de Campanha Eleitoral e Posterior Relação com o Governo Eleito: diretrizes para o sistema preventivo de infrações penais eleitorais do endêmico modelo de corrupção
PDF

Palavras-chave

Financiamento de campanha eleitoral
Crimes eleitorais
Corrupção
Governo aberto
Transparência
Programa de Compliance Electoral campaign financing
Electoral crimes
Corruption
Open government
Transparency
Compliance program

Como Citar

SILVA, R. F. A. da. Financiamento Empresarial de Campanha Eleitoral e Posterior Relação com o Governo Eleito: diretrizes para o sistema preventivo de infrações penais eleitorais do endêmico modelo de corrupção. Resenha Eleitoral, Florianopolis, SC, v. 22, n. 1, p. 77–106, 2018. DOI: 10.53323/resenhaeleitoral.v22i1.102. Disponível em: https://revistaresenha.emnuvens.com.br/revista/article/view/102. Acesso em: 29 fev. 2024.

Resumo

O presente trabalho visa a abordar de forma contextualizada o sistema eleitoral brasileiro, suas mazelas, peculiaridades legislativas, conquistas e as recentes discussões acerca do financiamento de campanhas eleitorais, o que diretamente nos remete ao estudo de condutas penalmente reprováveis realizadas no decorrer das atividades políticas, seja pelos partidos, seja pelos candidatos, seja até mesmos pelas entidades privadas que possuem interesses, por vezes, escusos, em patrocinar o pleito eleitoral. Quais são os limites ou controles necessários para legitimar a existência de subsídios públicos ou particulares em campanhas eleitorais? Diante de tantos escândalos envolvendo condutas corruptivas e imorais, é possível tornar o sistema de financiamento eleitoral eficiente? Tais pontos são discutidos na atual proposta de reforma política, e o presente estudo traz à tona a necessidade de estabelecermos diretrizes para o sistema preventivo de infrações penais eleitorais relacionadas ao financiamento de campanha e de práticas corruptas decorrentes de acordos com os financiadores. Além da transparência das atividades eleitorais, dos controles e limites rígidos de gastos, urge uma proposta de governo aberto e a própria efetivação da integridade empresarial, alteração recente no âmbito corporativo, mas que reflete na condução dos negócios e na cultura de combate à corrupção. Pela presente pesquisa, pode-se concluir que a existência de normas que regulam o sistema eleitoral não é suficiente para abranger a complexidade de atividades e agentes envolvidos no tema, o que torna necessária a criação de efetivos controles e demonstrações claras para a sociedade acerca da destinação da verba empregada, como forma inclusive de repudiar atos que sejam indecorosos e incoerentes com as ideias de Democracia e Cidadania. A educação é fundamental para desenvolver a cultura da intolerância à corrupção. A fim de assegurar a lisura do financiamento empresarial de campanha eleitoral e de evitar a prática da corrupção pelo doador em conjunto com o candidato eleito, o ordenamento jurídico brasileiro deve exigir que a empresa doadora comprove a efetividade do programa de integridade. A técnica de pesquisa é a documentação indireta, que abrange a pesquisa documental e bibliográfica. Esta permite o resgate factual e teórico das peculiaridades do financiamento empresarial de campanha eleitoral, por meio do confronto entre as correntes dogmáticas que formam os pilares centrais de sustentação das teses defendidas. Os métodos de procedimento utilizados são o histórico, o monográfico e o estático. O eixo fundamental da pesquisa está no método empírico-dialético, como arte de solucionar o problema, pautada na realidade (experiência jurídica) e no conhecimento do Direito em dado momento histórico. Em complementação, adota-se o método técnico-jurídico, mediante as concepções valorativas e sociais, para compreender o sentido dos enunciados normativos.

https://doi.org/10.53323/resenhaeleitoral.v22i1.102
PDF

Referências

BECK, Ulrich. Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade. Trad. Sebastião Nascimento. São Paulo: 34, 2010.

BONAVIDES, Paulo. Curso de direito constitucional. 24. ed. São Paulo: Malheiros, 2009.

______. Teoria do estado. 6. ed. São Paulo: Malheiros, 2007.

CAMPOS, Hélio Silvio Ourém; ASSIS JUNIOR, Moises Pereira de. Financiamento público de campanhas eleitorais. Estudos eleitorais / Tribunal Superior Eleitoral, Brasília, v. 7, n. 2, p. 25-45, 2012.

CARAZZAI, Estelita Hass. Com caixa dois, doação oficial era bônus, segundo Marcelo Odebrecht. FOLHA DE S. PAULO, Curitiba, 12 abr. 2017. Poder. On-line.

CASTRO, Fabrício de. Gastos nas campanhas municipais de 2016 somam R$2,131 bilhões, diz Gilmar Mendes. O ESTADO DE S. PAULO, São Paulo, 2 out. 2016. Política. On-line.

CORTELLA, Mario Sergio; BARROS FILHO, Clovis de. Ética é vergonha na cara! São Paulo: Papirus 7 Mares, 2014.

COSTA, Tito. Recursos em matéria eleitoral. 8. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2004.

GOMES, Suzana de Camargo. Crimes eleitorais. 4. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010.

GONÇALVES, Luiz Carlos dos Santos. Crimes eleitorais e processo penal eleitoral. São Paulo: Atlas, 2012.

GONTIJO, Conrado Almeida Corrêa. O crime de corrupção no setor privado: estudo de direito comparado e a necessidade de tipificação do delito no ordenamento jurídico brasileiro. Dissertação (Mestrado) − Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

MIRANDA, Jorge. Manual de direito constitucional. 8. ed. Coimbra: Coimbra, 2009.

NEGRÃO, Célia Lima; PONTELO, Juliana de Fátima. Compliance, controles internos e riscos: a importância da área de gestão de pessoas. Brasília: Senac, 2014.

PETRELLUZZI, Marco Vinicio; RIZEK JUNIOR, Rubens Naman. Lei anticorrupção: origens, comentários e análise da legislação correlata. São Paulo: Saraiva, 2014.

PONTE, Antonio Carlos da. Crimes eleitorais. São Paulo: Saraiva, 2008.

SÁNCHEZ, Jesús-María Silva. A expansão do direito penal. 2. ed. Trad. Luiz Octavio de Oliveira Rocha. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

SILVA, Marco Antonio Marques da. Cidadania e democracia: instrumentos para a efetivação da dignidade humana. In: SILVA, Marco Antonio Marques da; Jorge Miranda, MIRANDA, Jorge (Coords.). Tratado luso-brasileiro da dignidade humana. 2. ed. São Paulo: Quartier Latin, 2009.

SILVEIRA, Renato de Mello Jorge; DINIZ, Eduardo Saad. Compliance, direito penal e lei anticorrupção. São Paulo: Saraiva, 2015.

TERENZI, Gabriela; URIBE, Gustavo; AZEVEDO, Rayanne. Custo de R$ 5 bilhões faz eleições deste ano baterem recorde histórico. FOLHA DE S. PAULO, São Paulo, 30 nov. 2014. Poder. On-line.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2018 https://creativecommons.org/licenses/by/4.0