Mutações Legais no Direito Eleitoral: repercussões no sistema das invalidades eleitorais e na renovação das eleições
PDF

Palavras-chave

Mutação legal
Causas de invalidade da votação
Renovação das eleições
Eleições suplementares Legal mutations
Invalidation of election
Repeal of elections
Supplementary elections

Como Citar

ANDRADE NETO, J.; ANDRADE NETO, J. Mutações Legais no Direito Eleitoral: repercussões no sistema das invalidades eleitorais e na renovação das eleições. Resenha Eleitoral, Florianopolis, SC, v. 21, n. 1, p. 69–94, 2017. DOI: 10.53323/resenhaeleitoral.v21i1.90. Disponível em: https://revistaresenha.emnuvens.com.br/revista/article/view/90. Acesso em: 4 mar. 2024.

Resumo

O artigo trata do sistema de invalidades e de defesa da autenticidade das eleições. Propõe-se a estudar dois casos de mutação legal relativos à interpretação e à aplicação do art. 224, do Código Eleitoral – referentes, portanto, à invalidação da votação e à convocação de novas eleições pela Justiça Eleitoral. Por analogia ao conceito de mutação constitucional, de Jellinek (1991), as mutações legais se definem como alterações das normas infraconstitucionais sem mudança textual formal, provocadas não pelos legisladores, mas pelos intérpretes, sem que estes demonstrem consciência de que o fazem. O primeiro caso estudado consiste na redução das causas de invalidação da votação na circunscrição como um todo, o segundo, no desaparecimento dos meios autônomos para a decretação de invalidade. Resulta dessas mutações o paradigma atual acerca do tema, consubstanciado nos ED no RESPE 139-25. Nos termos dessa decisão proferida pelo TSE em 2016, somente o indeferimento do registro ou a cassação do registro, do diploma ou do mandato de candidato eleito autorizam a convocação de eleições suplementares. Confrontando-se a doutrina e a jurisprudência anteriores e posteriores à CRFB/88, demonstra-se que esse paradigma se estabeleceu sem que fossem enfrentadas e superadas as premissas teóricas e jurisprudenciais da concepção precedente

https://doi.org/10.53323/resenhaeleitoral.v21i1.90
PDF

Referências

ALVIM, F. F. Integridade eleitoral: significado e critérios de qualificação. Revista Ballot, v. 1, n. 2, p. 213-228, 2015.

ANDRADE NETO, J. Controle e Judicialização das Eleições: A legitimidade de juízes e tribunais eleitorais para decidirem “questões políticas”. In: MORAES, F.; SALGADO, E. D.; AIETA, V. S. (Eds.). Justiça Eleitoral, Controle das Eleições e Soberania Popular. Curitiba: Íthala, 2016a. p. 277-315.

_________. Participante ou observador? Uma escolha entre duas perspectivas metodológicas de estudo e aplicação do Direito. Revista Direito GV, v. 12, n. 3, p. 869-891, dez. 2016b.

BRAMRAITER, J. Os Reais Efeitos do Voto Nulo na Atualidade e seu Reflexo para o Regime da Democracia Representativa no Brasil. Revista Estudos Legislativos, v. 7, n. 7, p. 61-93, 2013.

BRASIL. Lei n. 4.737, de 15 de julho de 1965. Institui o Código Eleitoral. D.O. de 19 jul. 1965, p. 6746.

_________. Tribunal Superior Eleitoral. Acórdão 5.361 no Recurso Especial Eleitoral 4.005 / AL, de 5 abr. 1973. Relator: Min. Márcio Ribeiro. Boletim Eleitoral, vol. 263, Tomo 1. Brasília, DF, 1973a.

_________. Tribunal Superior Eleitoral. Agravo de Instrumento 4.069 / SP, de 27 set. 1973. Relator: Min. Carlos Eduardo de Barros Barreto. Boletim Eleitoral, vol. 268, Tomo 1. Brasília, DF, 1973b.

_________. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. DOU, 5 out. 1988, p. 1.

_________. Tribunal Superior Eleitoral. Acórdão 10.854 no Recurso Especial Eleitoral 8.404 - PR, de 17 ago. 1989. Relator: Min. Romildo Bueno De Souza. Diário de Justiça, 13 out. 1989. Brasília, DF, 1989a.

_________. Tribunal Superior Eleitoral. Acórdão 10.501 no Recurso Especial Eleitoral 8.152 / SC, de 28 fev. 1989. Relator: Min. Antônio Vilas Boas Teixeira de Carvalho. Diário de Justiça, 10 mar. 1989. Brasília, DF, 1989b.

_________. Tribunal Superior Eleitoral. Mandado de Segurança 2624 / AM, de 5 mai. 1998. Relator: Min. Eduardo Andrade Ribeiro de Oliveira. DJ, 29/6/1998, p. 71. Brasília, DF, 1998.

_________. Tribunal Superior Eleitoral. Acórdão no Recurso Especial Eleitoral 21.141 / GO, de 15 mai. 2003. Relator: Min. Fernando Neves da Silva. Diário de Justiça, 29 ago. 2003. Brasília, DF, 2003.

_________. Tribunal Superior Eleitoral. Acórdão no Mandado de Segurança 147.854 / SC, de 20 mar. 2012. Relator: Min. Marcelo Henriques Ribeiro de Oliveira. Diário de Justiça eletrônico, Tomo 96, 23 mai. 2012. Brasília, DF, 2012.

_________. Tribunal Superior Eleitoral. Embargos de Declaração no Recurso Especial Eleitoral 139-25 / RS, de 27 nov. 2016. Relator: Min. Henrique Neves da Silva. Publicado na sessão de 28 nov. 2016. Brasília, DF, 2016.

BULOS, U. L. Da reforma à mutação constitucional. Revista de informação legislativa, v. 33, n. 129, p. 25-43, jan./mar. 1996.

CRUVINEL, D. M. Judicialização da política e ativismo judicial: um esforço pela organização do cenário. Dissertação (mestrado). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), 2013.

ESPÍNDOLA, R. S. Justiça brasileira contramajoritária e soberania popular: a democrática vontade das urnas e a autocrática vontade judicial que a nulifica. Eleições & Cidadania, v. 4, n. 4, p. 98-125, 2012.

GOMES, J. J. Invalidade no direito eleitoral: nulidade e anulabilidade de votos. Revista Brasileira de Direito Eleitoral, v. 1, n. 1, p. 63-104, jul. 2009.

_________. Direito eleitoral. 4. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo, SP: Del Rey, 2010.

_________. Direito eleitoral. 12. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo, SP: Gen, Atlas, 2016.

GRESTA, R. M. et al. Por que a Lei da Ficha Limpa incide sobre situações jurídicas constituídas antes de sua vigência: duas objeções superadas. In: SOARES, I. A. N. et al. (Eds.). Coletânea de Artigos Jurídicos NAP 2011. Curitiba: CRV, 2012.

GUIMARÃES, T. Urna que quebrou e perdeu 287 votos pode mudar a eleição em SC. Folha de S. Paulo, São Paulo, 31 out. 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/10/1541083-urna-que-quebrou-e-perdeu-287-votos-pode-mudar-eleicao-em-sc.shtml>. Acesso em: 20 mai. 2017.

JELLINEK, G. Reforma y Mutación de la Constitución. Madrid: Centro de Estudios Constitucionales, 1991.

JORGE, F. C. A ação eleitoral como tutela dos direitos coletivos e a aplicação subsidiária do microssitema processual coletivo e do Código de Processo Civil. In: TAVARES, A. R.; AGRA, W. de M.; LUCON, P. H. dos S. (Eds.). O Direito Eleitoral e o Novo Código de Processo Civil. Belo Horizonte: Fórum, 2016. p. 456.

MELLO, M. B. de. Teoria do Fato Jurídico: Plano da validade. 7 ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2006.

NEISSER, F. A Ação de Ressarcimento de Danos Causados à União no Caso da Anulação de Eleições pela Justiça Eleitoral. In: AGRA, W. de M.; PEREIRA, L. F.; TAVARES, A. R. (Eds.). O Direito Eleitoral e o Novo Código de Processo Civil. Belo Horizonte: Fórum, 2016. p. 422-466.

PEDRA, A. S. Teoria da mutação constitucional: limites e possibilidades das mudanças informais da constituição a partir da teoria da concretização. Tese (doutorado em Direito). São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), 2009.

PEDRON, F. Q. Mutação constitucional na crise do positivismo jurídico: história e crítica do conceito no marco da teoria do direito como integridade. Belo Horizonte: Arraes, 2012.

PERÍCIA em urna de Içara pode mudar resultado de deputados eleitos em SC. G1, 31 out. 2014. Disponível em: <http://g1.globo.com/sc/santa-catarina/noticia/2014/10/pericia-em-urna-de-icara-pode-resultar-em-troca-de-politicos-eleitos.html>. Acesso em: 10 mai. 2017.

REIS, M. J. O Novo §3o do art. 224 do Código Eleitoral e a posse do segundo colocado. Eleições & Cidadania, v. 4, n. 4, p. 343-364, 2012.

RIBEIRO, F. Direito Eleitoral. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1988.

SALGADO, E. D. Princípios constitucionais eleitorais. Belo Horizonte: Fórum, 2010.

SCHREIBER, A. Novos paradigmas da responsabilidade civil: da erosão dos filtros da reparação à diluição dos danos. São Paulo: Atlas, 2013.

VECCHI, C. B. Mutação constitucional: A origem de um conceito problemático. Dissertação (mestrado em Direito). Rio de Janeiro: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), 2005.

ZILIO, R. L. Nulidade dos votos no sistema proporcional: eficácia e efeitos da decisão judicial. Revista Brasileira de Direito Eleitoral, v. 5, n. 8, p. 91-120, jan.-jun. 2013.

_________. Direito Eleitoral. 5. ed. Porto Alegre: Verbo Jurídico, 2016.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2017 https://creativecommons.org/licenses/by/4.0