A Possibilidade da Educação Jurídica numa Perspectiva Humanista
PDF

Palavras-chave

Educação Jurídica
Humanismo
Acesso à Justiça e Cidadania Legal Education
Humanism
Access to Justice and Citizenship

Como Citar

MELO, S. A Possibilidade da Educação Jurídica numa Perspectiva Humanista. Resenha Eleitoral, Florianopolis, SC, v. 20, n. 1, p. 201–220, 2016. DOI: 10.53323/resenhaeleitoral.v20i1.78. Disponível em: https://revistaresenha.emnuvens.com.br/revista/article/view/78. Acesso em: 21 fev. 2024.

Resumo

A sociedade atual revela tensões que apontam para uma crise de valores, de esperança, imersos na violência e com grande parte da população sem condições dignas de sobrevivência. No mundo jurídico atual, o das normas, não importa a realidade vivenciada, sentida e desejada pelos cidadãos. Recuperar o destinatário do Direito, é o que vêm procurando fazer as correntes humanistas do Direito. Repensar a educação jurídica e a aplicação da teoria do humanismo no seu contexto, a fim de verificar uma possibilidade para construção e efetivação da cidadania da população de baixa renda, é importante para que se possa não apenas formar bacharéis em direito, mas também e principalmente, operadores de direito conhecedores e comprometidos com a sociedade em que estão inseridos. É possível, através do ensino do direito, calcado num novo humanismo ocorrer mudanças concretas de forma a integrar-se no objetivo de construir uma realidade mais justa e digna.

https://doi.org/10.53323/resenhaeleitoral.v20i1.78
PDF

Referências

ANDRADE, Vera Regina P. de. Cidadania: do direito aos direitos humanos. São Paulo: Acadêmica, 1993.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2004.

CAPPELLETTI, Mauro, GARTH, Bryant. Acesso à justiça. Tradução de Ellen Gracie Nothfleet. Porto Alegre. Antonio Fabris Editor, 1988.

CAPORALE, Rocco. “ Algumas Reflexões Críticas sobre o Conceito de Humanismo”. In: PAVIANI, J e DAL RI JR., A. (Orgs.). Globalização e humanismo latino. Porto Alegre:EDIPUCRS/Casamarca, 2000.

CARNEIRO, Paulo Cezar Pinheiro. Acesso à justiça. Rio de Janeiro: Forense, 1999.

CHAUÍ, Marilena. Universidade: Organização ou instituição social. UNESCO: A Universidade na encruzilhada - seminário universidade: por que e como reformar. Brasília: UNESCO/SESU/MEC, 2003.

DE LA TORRE RANGEL. Jesus Antonio. Jusnaturalismo histórico analógico. Espanha (no prelo).

DELGADO, Daniel Garcia. Estado nación y globalización. Buenos Aires: Aruel, 1998.

DE POLI, Dino. Prefácio. In: PAVIANI, J e DAL RI JR.,A. (Orgs.). Globalização e humanismo latino. Porto Alegre: EDIPUCRS/Casamarca, 2000.

DIAS, Marco Antônio Rodrigues. Políticas para o Ensino Superior a partir da Conferência de Paris. In: Universidade e Sociedade. Ano IX, n. 18. março de 1999.

FAGUNDES, J. Universidade e compromisso social. Campinas: Unicamp, 1983.

HELD, David, MACGREW, Anthony. Prós e contras da globalização. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

MARSHALL, T. H. Cidadania, classe social e status. Tradução Meton Porto Gadelha. Rio de Janeiro: Forense, 1977.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Portaria 1886/94. Fixa diretrizes para os cursos de direito. Disponível em: <http://www.mec.gov.br> Acesso em: 25 maio 2004.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Tradução de Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya. São Paulo: Cortez, 2000.

NOGARE, Pedro Dalle. Humanismos e anti-humanismos: introdução à antropologia filosófica. 13ª ed. Petropólis: Vozes, 1994.

OLIVEIRA, Odete Maria. Conceito de homem: mais humanista, mais transpessoal. Ijuí: Unijuí, 2006.

PAVIANI, Jaime; DAL RI JUNIOR, Arno (orgs.). Globalização e Humanismo Latino. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2000.

___________ . Humanismo Latino no Brasil hoje. Belo Horizonte: PUCMinas, 2001.

PEET, Richard. Mapas do mundo no fim da história. In SANTOS, Milton e outros (orgs.) Fim de século e globalização. São Paulo: Hucitec, 1994.

RODRIGUES, Horácio Wanderlei. Acesso à justiça no direito processual brasileiro. São Paulo: Acadêmica, 1994.

SANCHES, Sydney. Acesso à justiça. Revista dos Tribunais, São Paulo, v. 621, jul. 1987.

SANTOS, Boaventura de Souza. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência - para um novo senso comun: a ciência, o direito e a política na transição paradigmática. São Paulo: Cortez, 2000.

________________________. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. São Paulo: Cortez, 1996.

TOBEÑAS, José Castan. Humanismo y derecho. Madri: Ed. Instituto Editorial Reus, 1962.

UNESCO. Tendências da Educação Superior para o Século XXI. Brasília: UNESCO/CRUB, 1999.

VILELA, Orlando. Iniciação filosófica. 2 ed. São Paulo: Dominus Editora, 1965.

WATANABE, Kazuo. Acesso à justiça e sociedade moderna. GRINOVER, Ada Pellegrini, DINAMARCO, Cândido Rangel, WATANABE, Kazuo

(coords.). Participação e Processo. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1988.

___________________ . Assistência judiciária e o juizado especial de pequenas causas. Revista dos Tribunais. São Paulo, v. 617, mar. 1987.

WOLKMER, Antônio Carlos. (org.). Humanismo e cultura jurídica no Brasil. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2003.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2016 https://creativecommons.org/licenses/by/4.0